checagem-de-fake-news checagem-de-fake-news

Checagem de fake news

Checagem de fake news

Durante as eleições para presidente dos Estados Unidos em 2016, pelo menos 115 fake news a favor de Donald Trump foram compartilhadas 30 milhões de vezes nas redes sociais. Outras 41 a favor de Hillary Clinton alcançaram quase 8 milhões.

Os dados de um estudo da Universidade de Stanford mostram como é amplo o desafio de identificar e evitar as fake news, não só naquela ocasião específica, mas entre as milhares de fraudes divulgadas todos os dias.

Para ajudar o internauta nesta tarefa, empresas e sites se especializam na função de fact-checking, ou checagem de fatos, em tradução livre.

Considerada uma das pioneiras na função, a organização norte-americana sem fins lucrativos FactCheck.org é uma iniciativa da Universidade da Pensilvânia e surgiu em 2003 como um projeto para engajar os universitários no monitoramento e análise das politicas públicas.

O objetivo é ao mesmo tempo ampliar o pensamento crítico dos estudantes e reduzir o nível de decepção e confusão dos cidadãos nesse tema. Começou a ganhar maior projeção em 2008, quando ajudou a desmentir a informação falsa de que o então candidato Barack Obama teria nascido no Quênia e não poderia concorrer à presidência, mas teve também papel ativo nas últimas eleições presidenciais.

O Facebook, muito criticado por ter permitido a veiculação de uma enxurrada de notícias falsas no mesmo período, tenta montar uma rede de fact-cheking global já ativa em cinco países: Estados Unidos, França, Alemanha, Itália e Holanda.

A ideia é que agências locais parceiras, todas afiliadas à International Fact-Checking Network, ajudem a combater a propagação das fake news na plataforma social. Os conteúdos sinalizados como fraudulentos aparecerão em pouco destaque no feed de notícias e quem postou ainda receberá uma notificação.

No Brasil, dois sites se destacam pelo esforço permanente de tentar desmascarar as farsas que se espalham pelas redes sociais e podem ser bons pontos de partida para avaliar se o que se está recebendo procede ou não.

O Boatos.org, criado em 2013 pelo jornalista Edgar Matsuki, se dedica a apurar e desmentir as fake news, muitas delas sugeridas diariamente pelos internautas. Com maior tempo de estrada, o E-farsas surgiu em 2002 e é coordenado pelo analista de sistemas Gilmar Lopes, registrando da mesma forma pelo menos 150 pedidos de pesquisas por dia.

Se você gostou do assunto, confira o podcast especial que gravamos sobre notícias falsas!

Fonte: Dialogando - Checagem de fake news (2018)

Deixe uma resposta

O campo mensagem deve conter pelo menos 3 caracteres

Comentário(s)

  • IZIDORO DE SOUZA SOLDI

    22/10/2018 16:05

    Tenho feito esse trabalho de sondagem, buscando a veracidade das noticias e assim desmentindo aquelas que são falsas. As duas organizações Boatos.com e E-Farsas são primordial para minhas pesquisas e duvidas assim como a busca nos noticiários para ver as veracidades dos fatos...

    • Dialogando

      22/10/2018 17:50

      Muito bom, Izidoro! Verificar a veracidade das notícias é primordial. :)

  • Saiba Tudo Mato Grosso Notícias

    17/05/2018 11:16

    Com essa onda de fake news é importante checar os fatos, ou pelo menos contar com fontes confiáveis. No https://www.saibatudomt.com.br/assuntos/mato-grosso fazemos a pesquisa e validação do conteúdo, sendo uma fonte confiável de notícias de Mato Grosso.

    • Dialogando

      25/05/2018 12:32

      Muito legal! Parabéns!

Checagem de fake news 2019-11-25 20:56:36
Newsletter

Receba nossas notícias e fique por dentro de tudo ;)